quarta-feira, 22 de maio de 2013

Um Novo Contexto – a Globalização.


Depois da dúvida, veio a apropriação sem remorsos da contextualização sertaneja, usando toda sua riqueza com mais liberdade. Aproveitamos a familiaridade cultural com nossos interlocutores (sertanejos). Continuamos anunciando a Jesus, tornando-O conhecido em tantos lugares.
Até que em uma destas atividades evangelísticas, nós vínhamos com a nossa equipe pelas ruas de uma cidade sertaneja cantando Coração Nordestino (1997) e no trecho que diz: "...do menino que brinca de baleadeira..." Quando olhei de lado, dentro de uma lan house, muitos meninos e meninasbrincavam na internet. Foi quando atentamos, definitivamente, que o contexto cultural nordestino havia mudado. Esta música composta há 19 anos pelo missionário Bartolomeu Nascimento, naquele trecho, havia perdido o sentido; estava praticamente fora de contexto, pois raramente vemos menino brincando de baleadeira (hoje, inclusive, balear passarinho é crime ambiental, inafiançável!).

Outra música, esta de nossa autoria, De Sandália ou de Alpercata (1996), diz em um dos seus trechos “De sandália ou de alpercata... de jumento ou bicicleta, ou em cima de um caminhão...” Ora, hoje, jumento praticamente deixou de ser transporte de sertanejo. O que se usa atualmente? Moto 125 cilindradas.

Quando iniciamos o Sal da Terra há 17 anos atrás, o nosso contexto era exatamente este, cultura nordestina era cultura nordestina e ponto. Hoje, tão pouco tempo depois, vivemos uma mudança radical da nossa cultura. 

Há 13 anos atrás fomos participar de um culto na Congregação Presbiteriana do Sítio Inhumas (São João – PE). Naquele culto, ficamos impressionados com os irmãos vindo à igreja com a Bíblia em uma mão e uma lanterna na outra, enquanto alguns outros chegavam à cavalo. No mês passado voltamos lá e a quantidade de motos no estacionamento da Igreja nos deixou admirados. O culto contou com telão e multimídia, repleto de músicas dos "artistas evangélicos da globo" e tinha gente acompanhando a leitura bíblica através de smartphone tablet

Indubitavelmente, com o advento da antena parabólica e da internet, com a abertura de mercado, o nosso contexto cultural sofreu profundas mudanças. Mesmo sem perdermos o gosto por nossas tradições, por nossa cultura de raiz, temos hoje como fato corrente a assimilação de outras culturas.

É inegável que vivemos um novo momento, um novo contexto, que estamos vivendo sob o manto da globalização e deste ponto de vista, podemos dividir a contextualização do sertão nordestino, em especial no que se refere a igreja, em três fases distintas:


1 – Exclusivismo: Onde o contexto cultural foi quase que estritamente importado. 

2 – Polaridade: Nesta fase houve atrito entre o que foi trazido pelos missionários e aquilo que é nosso. 

3 – Efeitos da globalização: Trouxe um “mix” das tendências mundiais. É isso que temos vivido hoje.


Um Novo Desafio

Contextualização no sertão nordestino se tornou muito mais ampla, posto que vivemos numa cultura globalizada; portanto, bem mais ampla, mas que continua sendo uma excelente ferramenta na evangelização e como elemento de uso no culto a Deus. 

Resta tão somente, ter sabedoria e equilíbrio na utilização deste novo contexto cultural que está em evidência, empregando-o de maneira salutar e apropriar-se daquilo que é proveitoso e prático para as nossas Igrejas.
Que O SENHOR nos ajude nisso! 

Em Cristo,
Marcos Sal da Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

P.A.S – PROGRAMA ALCANÇANDO O SERTÃO

O ano de 2017 foi intenso! Realizamos vários projetos evangelísticos com o objetivo de alcançar mais e mais a Zona Rural do Ser...